pulo

29 de jun de 2011

Planejamentos



Pois é, descobri que tenho direito ao recesso de meio de ano na escola, avisei correndo o maridão, para ele conseguir o prêmio incentivo dele no mesmo período e... Ele conseguiu!!! \o/

A grande vantagem desta vez é que combinamos tirar essa semana para nos divertir e curtir, realmente umas merecidas "férias" de nossas obrigações.

Arthur estará na escolinha, portanto, eu e o marido teremos um dia todo só para nós, poderemos passear e espairecer, visitar locais e matar a saudade de ir ao cinema, coisa que não faço desde a gravidez.

A casa, sorry, ficará em último plano, não quero lavar, passar, limpar NADA!

Planejo passeios em parques, lugares turísticos, centros de artes, lojas de artigos de jardim e visita a antiquários, pq eu adoro esses espaços.

Estou doida para que as tais "férias" cheguem logo, ô se tô!!!

24 de jun de 2011

Novos ares dentro de casa



Após a semana louca de retorno ao trabalho, posso agora tirar minhas conclusões.

Ter colocado o Arthur na escolinha foi algo super positivo, já percebo algumas mudanças na sua personalidade e desenvolvimento. Me fez também ficar mais independente dele e de ocupar outras funções além da de ser mãe.

Ter mandado a empregada embora acabou sendo um alívio, mesmo com o rombo orçamentário, pq sem ela, seus problemas e conversas, a energia da casa está outra, digamos mais iluminada. Também descobri todas as falhas que nunca vemos quando deixamos a casa na mão de outra pessoa, uma porta precisando apertar parafuso, um armário precisando de uma arrumação melhor, roupas de cama e toalhas mais organizadas, uma louça que precisa de mais limpeza, um fogão que precisava urgente de uma garibada tão boa que me consumiu um dia inteiro de trabalho forçado.

E ao contrário do que imaginava, por mais "chatas" que sejam as tarefas domésticas, não é que estou gostando de executá-las? Pq parece que comigo, com minhas mãos no batente, a casa está voltando a ser minha, será que me fiz compreender direito?

Quando ao trabalho fora de casa, reencontrar pessoas queridas é sempre muito bom, rever pessoas especiais na qual faz meses ou anos que não nos falamos é melhor ainda; estou numa vitalidade tão estranha que por vezes assusto comigo mesma.

Trabalhar dois horários também é uma novidade, tudo bem que ainda estou me acostumando com posturas diferentes nos turnos, mas nada que me meta medo e que eu não olhe e pense: Vou conseguir!

O bom é que de tarde me folgam dois dias da semana, assim, aproveito esses dias para cuidar da casa e de seus ocupantes, acredito que com a prática, consiga fazer tudo para que eu possa descansar merecidamente no final de semana.

E mesmo hoje, num dia em que gastei a manhã toda para passar uma pilha de roupas, atividade que detesto, nem assim o meu humor sumiu, estou cansada, precisando urgente de uma nova tábua de passar, mas mesmo assim, com um pique danado para arrumar outras coisas por aqui; mas me seguro, afinal de contas, tem um pequeno filhote que daqui a pouco, vai querer com certeza, a minha atenção e a bateria da super mãe, precisa estar cheia, rs.

Ah, sim! Mais tarde ainda vai rolar um bolo salgado de polvilho, se ficar gostoso, posto a receita, pq tô doida para experimentar essa novidade.

17 de jun de 2011

Bette Midler - Wind Benith My WIngs


Wind Benith My WIngs (tradução)

Um presente dos Céus para mim, simplesmente o jeito que você é
Uma nova e idosa criança de uma estrela distante.
Me sinto tão bem apenas estando junto a você.
Você é um presente dos Céus para mim.

Você é tão doce e puro, simplesmente o seu jeito
Preciosa jóia de mamãe. Nova estrela de papai.
Há muito na vida para você ver
E muito para ser.
Você é um presente dos Céus para mim.

La la la la la la, la la la la la,
La la la la la la la, la la la la la la la,
La la la la la, la la la la,
La la la la la, la la la la la la la

Um presente dos Céus para mim, simplesmente o jeito que você é
Uma nova e idosa criança sempre em meu coração.
Há muito na vida para você ser.
E muito para ver.
Você é um presente dos Céus para mim.

La la la la la la, la la la la la,
La la la la la, la la la la la,
La la la la la la, la la la la la,
La la la la la, la la la la la la la.

La la la la la la, la la la la la,
La la la la la la la, la la la la la la,
Há muito na vida para você ver
E muito para ser.
Você é um presente dos Céus para mim

16 de jun de 2011

Susto



Pois é, hoje o dia já estava diferente, era a primeira vez do Arthur na escola, eu ansiosa, filho sem entender nada, possivelmente pensando: "Pq raios estão me trocando e alimentando tão cedo?" rs

E nesse corre-corre de arrumar o Arthur, esqueci de pegar o sapatinho dele, pequei um, não coube, "como assim já perdeu o dito?" pensei,  olhei para o menino, coloquei ele no meio da cama e corri para pegar outro par de sapatos, quando já estava no quarto dele, só escutei um barulho forte no chão!

Saí correndo em direção ao quarto e não vi o Arthur em cima da cama!!!!

Ao dar a volta na cama, vejo Arthur no chão, estatelado de costas, milagrosamente com a cabeça em cima de meus chinelos; ao me ver, assustado pela queda, chora!

Peguei o menino o mais rápido possível, coloquei no colo e passava a mão em sua cabeça e costas, tentando encontrar algum ferimento ou machucado. Arthur chorava mais pelo susto do que por qualquer dor, olhei nos olhos dele procurando por um aumento da pupila, nada.

Desandei a andar pelo quarto, falando com ele, tentando acalmá-lo e distraí-lo. O marido sai correndo do banho, desesperado, tentando entender o que aconteceu; quando conto, lógico, escuto aquele discurso sobre cuidar melhor do menino, ouço ele dizer que se fosse com ele eu o teria matado e blá, blá, blá. Ele está certo!

Eu com os olhos marejados, pelo pânico de ter visto Arthur no chão, pelo medo dele ter machucado, por segurar a emoção para o menino não me ver nervosa ou agoniada, saio andando e rindo, fazendo graça com o Arthur, de modo a esconder meus sentimentos de fúria por ter sido uma péssima mãe.

Depois de um tempo, ao colocar Arthur novamente na cama, o menino se vira, sorri e tenta novamente engatinhar, vejo que está bem, se locomovendo tranquilamente, rindo feliz, aliviei o coração. Fiquei de olho nele, para ver alguma mudança comportamental ou nas pupilas, nada, ainda bem ele estava bem.

E sentada na cama com ele, agradeci muito, pela providência divina de estar descalça, de ter meus chinelos juntos e rente a cama, no lugar mais correto impossível, salvando meu filho de bater a cabeça direto no chão.

E percebi que a mais reles distração, pode virar um acidente sério.

Obrigada ao Universo, aos Deuses, ao Espírito Guardião da casa, ao Anjo da Guarda de Arthur, por meus chinelos estarem ali, no lugar certo, evitando um desastre ainda maior.

Mudanças Express

Texto meu no Mamães Matrízticas

Mudanças Express


Para quem ainda não sabe, sou Pedagoga, conheço o lado A e B da Educação Infantil e de suas instituições sejam elas públicas ou particulares; mas desta vez, posto sobre a visão da Pedagoga e da Mãe aflita.

Meu drama começou efetivamente essa semana, pois semana que vem eu volto ao trabalho. Na minha mente já estava tudo acertado para a minha volta e a tranquilidade do Arthur; já estou fazendo a adaptação do menino com a minha ausência matutina em casa, ele ficaria com a empregada e eu calma no serviço, porém, tudo mudou.

Já havia conversado com a empregada que a partir do nascimento do Arthur, suas faltas não poderiam mais ocorrer, não poderia mais dar ao luxo dela compensar a falta em outro dia da semana e seu horário de serviço mudaria, sua entrada seria às 6:30 hs, assim ela chegaria em casa antes da nossa saída pro trabalho, ela cuidaria do menino pela manhã e daria conta da casa na parte da tarde. Após as devidas conversas, ficou tudo muito bem acertado, sem problemas, ela estava chegando no horário e eu e Arthur nos adaptando às mudanças matutinas.

Pois bem, mas nem tudo ficou flores, a empregada começou a faltar e eu fiquei desesperada, pois como iria trabalhar se a empregada faltasse? Imagina a cara da minha chefa, comigo ligando pela manhã e dizendo: "Não vou trabalhar, pois a empregada faltou e não tenho com quem deixar o filho." Com certeza vou criar problemas para mim mesma...

Passei um dia inteiro queimando neurônios afim de encontrar uma solução, pq a única saída seria colocar o Arthur numa creche, ok, mas como pagar? Creche particular não é barata e colocar mais uma conta é estourar o orçamento doméstico.

Depois de muito pensar, conversei de noite com o marido. A idéia é colocar o Arthur na creche, não ter mais a empregada mensalista e ver com ela se ela aceita ser novamente diarista, vir na sexta para limpar a casa e na segunda para passar as roupas.

E novamente a mulher é a sacrificada da vez, sim, pq vai sobrar para mim a casa, não é? O marido trabalha o dia inteiro, eu só pela manhã, então cozinhar, colocar a roupa para lavar, cuidar do filho, cuidar da casa, sobrou para mim.... Estou esperando a empregada aparecer, para lhe dar a nova proposta, vamos ver que dia vem.

Fui ontem a noite na escola nova do Arthur fazer a matrícula, escola pequena, de bairro e praticamente do lado de onde eu trabalho.

Tudo bem que não é uma escola do nível das particulares na qual já trabalhei, mas ela tem seu encanto por ser pequenina e acolhedora, mostrando que por ter poucas crianças, Arthur será melhor supervisionado; lógico que vi coisas que talvez outras mães não vejam, dei toques sobre isso para a Diretora da escola, uma mulher muito simpática e atenciosa. Perguntei sobre o lado Pedagógico, sobre a rotina do Berçário, alimentação, higiene e muitas outras coisas. Como fui à noite, não vi o corre-corre de alunos e funcionários, mas fiquei de levar o Arthur pela manhã e lógico olharei as coisas com uma visão crítica.

Hoje de manhã, já levantei cedo para me adequar a nova rotina, a de alimentar e arrumar Arthur antes de nos prepararmos para sair e ver se o tempo dá; deu!

Na escola, cheguei cedo, como normalmente será o meu horário de deixá-lo antes de ir para o CMEI. A outra vantagem de lá é que conheço uma parte dos funcionários, pessoas que trabalharam/estagiaram na Unidade de Ensino na qual sou Pedagoga, inclusive uma das pessoas do Berçário era estágiária minha no CMEI, pessoa na qual conheço sua real dedicação e cuidados; ponto positivo para mim e para o Arthur, pois pedi um cuidado especial com a adaptação do meu filhote, rs.

Fiquei um tempo na escola, vendo a entrada das crianças, o trabalho dos funcionários e lógico, vendo o Arthur de uma longa distância. Outra grande vantagem dessa escola é que ela possui vídeo monitoramento, assim posso dar minhas olhadelas ao vivo no Tutu e ficar tranquila.

Em casa, com ela vazia e calma, dei conta de várias coisas pendentes, inclusive esse texto.

Agora, mais calma, é esperar pelo retorno da cria e saber como foi o dia dele, pelo visto ele está se adaptando bem, caiu no sono que foi uma beleza, rs.

E a Mãe e a Pedagoga aqui, essas duas pessoas numa só, está mais tranquila, torcendo pelo melhor e com o coração mais leve. Estou achando interessante a coisa de levar o filho na escola, ver que ele está crescendo e se adaptando ao mundo, as mudanças e claro, deixar ele mais solto, livre, não tão grudado aos pais, mas sem se distanciar demais deles; enfim, preparando o filho para a "independência dependente" que a vida aos poucos vai lhe impondo.

E vocês, como se sentiram ao levar a cria na escola pela primeira vez????
 

10 de jun de 2011

Ser mãe



"Quando você é mãe, você nunca está realmente sozinha em seus pensamentos. Uma mãe sempre tem que pensar duas vezes, uma por ela e outra por seu filho." -- SOPHIA LOREN

5 de jun de 2011

Participações

Existem participações, sorteios e promoções na web que valem a pena e claro, participo de algumas; portanto, vou postá-las aqui, para mais gente curtir, ok?

A da vez é a do sorteio de um adesivo da Gecko, eu adoro os produtos deles, e já tenho os meus favoritos para comprar.

Quem quiser participar, só clicar:

Sorteio de adesivo rolando no d♥ da :

1 de jun de 2011

Decepção, sim e não!

Postagem minha no Mamães Matrízticas.


Decepção, sim e não!



Um relato:

Já contei pela web como a coisa de ter um filho, me tornar mãe, mudou minha vida. São aquelas conversas sobre descobertas e desenvolvimentos, mas desta vez a vida me fez ver a coisa da maternidade por um outro prisma.

Para os que não sabem, essa semana Sampa teria a minha ilustre presença, teria, pq as coisas mudaram radicalmente de uma hora para outra.

Tudo acertado com o marido, com a pessoa que ia olhar o meu filho, o local para ficar, as passagens retiradas via pontos do programa de fidelidade da empresa aérea, as entradas para a CWED compradas com antecedência e por um valor agradável, malas arrumadas e... NADA DE SAMPA!

Para explicar o ocorrido, voltemos algumas semanas atrás...

Quando contei para minha mãe da viagem, fui chamada de mãe desnaturada, como poderia deixar um bebê tão novo longe de mim, sob os cuidados de outra pessoa, "que irresponsabilidade", ela me disse. Comentei sobre mães que precisam viajar à trabalho, comentei que precisava de um tempinho só para mim, argumentei sobre a data do congresso cair antes do fim de minhas férias, o que era uma ótima oportunidade de aproveitar e participar, contei sobre as amizades que iria reencontrar e finalmente olhar no olho muitas que só conheço via web; mas mesmo assim, minha mãe continuou discordando da minha decisão.

Decisão essa que estava super bem tomada, com o total apoio do maridão. Ele não reclamou e ainda me incentivou, falou que dava conta do filho sem problema algum, só precisaria de ajuda durante a noite, pois ele tem um sono pesadão e não acorda nem que a casa esteja caindo. Conversei com a pessoa que trabalha na minha casa, ela se prontificou a dormir aqui para tomar conta do Arthur 24 hs durante a semana, ok, fiquei feliz!

No decorrer dessa semana, fatos aconteceram, sentimentos me invadiram e pedi ajuda divina. Na segunda-feira uma sensação terrível tomou conta de mim, fui ao meu altar, pedi e protegi, passou; mas ficou algo na minha cabeça. Aproveitando a oportunidade no altar e no contato divino, pedi que me dessem dicas se deveria ou não viajar. Quem pede tem que saber escutar e nunca duvidar, não é? Essa é a base da fé!

Pedi para a empregada dormir hoje aqui em casa, era um meio de ver como ela se comportaria com o Arthur durante a noite, foi tiro e queda; descobri que a mulher dorme mais pesado que o meu marido. Arthur está naquele período em que aprendeu a virar, mas não sabe desvirar, só que no acordado é fácil dar conta, complicado é durante a noite; pq ele vira, fica de barriga pra baixo, fica agoniado e chora, tudo isso dormindo. O problema é que se não desvirar, o menino acorda e aí nada o faz dormir o resto da madruga (agora mesmo está acordado ao meu lado). Fora o perigo do sufocamento.

Como os deuses não dão ponto sem nó e a fé é algo poderoso, Arthur me fez o favor de rolar várias vezes (antes da meia-noite foram 4) e fazer muitos testes. Eu claro, fiquei de olho para ver o comportamento da empregada. A dita acordou? NADA! Na madruga ele deu uma chorada forte, deixei, virou um escândalo, alguém acordou? NÃO! Até as cadelas latiram forte ao ponto de acordar a rua toda, a empregada acordou? NEM! Claro que quem acordou de vez foi o Arthur, como eu disse, está até agora acordado ao meu lado e já passamos das 2:35 hs.

Como posso viajar e saber que toda a noite Arthur ficará sozinho? Como confiar que a empregada irá acordar para acodí-lo, se numa única noite já foi provado que isso não ocorrerá? Como posso me divertir sem pensar nele aqui? De modo algum. E para melhorar a situação, ao ver o celular durante a madruga, tem uma mensagem da empresa aérea informando mudanças no horário do vôo, preciso de mais alguma dica divina? CLARO QUE NÃO!

Agora mesmo na madrugada, cancelei o vôo, perderei mil pontos das milhagens, mas é melhor do que perder tudo, perderei a grana da CWED, mas é melhor do que perder a paz de espírito. Conversei com as pessoas que iria encontrar e espero que todas me entendam.

Decepção pelo cancelamento da viagem? Sim. Decepção por contar com uma pessoa e descobrir na hora H que ela vai lhe deixar na mão? Sim. Decepção por perder um momento só para si? Sim. Decepção pelas dicas divinas? NÃO!

Tudo isso aconteceu muito rápido, mas em tempo. Pq foi graças a toda essa confusão que vi o que meu filho ia passar, que eu ia me desesperar e principalmente, vi que meu filho ainda é muito pequeno, depende muito de mim e que meu tempo passou; estou em outro momento, com mais responsabilidades e uma mente maternal.

Se faltava algo para cair essa minha ficha, nessa madrugada a tal ficha caiu, percebi o quanto sou importante para o Arthur e o quanto ele é importante para mim, descobri o quanto deixo de pensar em mim em prol dele, aceitei que sou menos egoísta e individualista por conta dele.

Obrigada meus deuses pelos toques divinos, todos rápidos e a tempo.

Obrigada ao Universo por me fazer, mais uma vez, perceber que sou mãe.