pulo

23 de set de 2011

AR PRIMAVERIL

Hoje é um dia especial, Tutu faz 10 meses, é o início da Primavera e o Dia do Sorvete!



Feliz Dia para tod@s nós!!!

1 de set de 2011

Decoração e criticidade



No pouco tempo que me sobra, antes da caída no sono, por vezes, consigo ler minhas revistas de decoração e tenho reparado como estou crítica.

Não é criticar por criticar, não é dar uma de "Rapoza e as Uvas", mas tem certas coisas que não cabem em minha cabeça.

Tudo bem que revista sempre mostra uns espaços que seguramente falamos "capa de revista", são aqueles ambientes liiindos, arruuuumados, marrraaavilhosos, mas que a gente sabe, lá dentro, que é impossível de ter, pq cansa, pq é poluição visual, pq fica esnobe, pq fica piegas e sabe mais o que, pq gosto nunca se discute até o final, pois muda o tempo todo.

São salas com cores que não combinam e que eles teimam em dizer que é modernoso, que é "mexicanizado" ou pior "neo-nordestino", com retalhos loucos e que deixam a parede/móveis/casa com jeito de fundo de quintal, ou como dizia minha vó "com cara de pobre", pejorativamente falando.

São estantes com um monte de coisinhas em miniaturas e badulaques que minha mente grita "quem limpa isso tudoooo? Seguramente a dona da casa que não é!"

São casas minimalistas, que fico questionando: "quando tem muita visita como faz para sentar, receber ou se aconchegar?" Outras são casas excessivamente lotadas e que me faço a mesma pergunta, só que pensando que o convidado, numa foto, pode virar o personagem "Onde está Wally?"

E as manias, já reparou que elas existem nas revistas?

Uma delas, a mais atual e para mim abestada, é a de dizer/mostrar/empurrar que tudo é antigo, hoje em dia, é chiquetoso chamar de vintage, quando nada mais são do que coisas do tempos de nossas avós e que se não fosse "modinha"continuariam a ir pra lixeira pelas futuras gerações, pq não me venham dizer que peças de porcelana de bichos/pássaros amazônicos totalmente brilhoso ou com craquelê é algo poderoso na decoração, que isso não me cola não, é cafona sim! Assim como a Branca de Neve e os 7 anões no quintal/varanda de alguém.

Afinal, uma coisa é reaproveitar móveis antigos, de qualidade, com valor sentimental (eu faço isso, tenho os do tempo de minha mãe e vó); mas outra é pagar uma fortuna por um móvel, seguramente cinco vezes mais caro, que na verdade foi feito recentemente e dizer que é "vintagen" (burrice máxima)!

Ter móvel antigo é lindo, mas quando ele é realmente velho de algum lugar, tenha pertencido à alguém e principalmente, tenha uma história; além claro, do fator ecológico de preservar a natureza pois as árvores agradecerem.

Decoração e moda andam juntas, de mãos dadas, tendências vem e vão, mas não podemos esquecer que a casa tem que ter a cara dos moradores e não de show room de loja badalada ou de capa de revista.

De que adianta ter uma casa linda, moderna, atualizada nas mais recentes tendências, se ao entrar nela não sentimos a energia/gosto/personalidade de seus donos ou mesmo a casa viva, respirando junto com seus moradores?

 Sou mais a minha, sem tantas tendências modernas, sem móveis badalados, mas cheio de personalidade, com objetos que contam histórias de família e fazem a casa respirar viva e feliz com seus moradores.

Agora podem comentar/reclamar/opinar, pq lógico, minha criticidade jamais será igual a de vcs, só não me joguem pedras, pq não preciso delas para levantar nenhum muro, rs.