pulo

22 de dez de 2012




Já que estava arrumando meus escritos para a minha agenda/diário, acabei fazendo uma retrospectiva do ano de 2012, tudo bem que falta pouco para acabar, mas foi impossível não reler os fatos importantes e pensar a respeito; pensar em tudo que passei ou deixei de fazer.

Percebi o quanto do tempo passou e eu não percebi... Pq se for pensar cuidadosamente, esse 2012 passou muito rápido, tudo bem que esse é um ano de mudanças bruscas, mas mesmo assim, percebo que não fiz tanto quanto gostaria de fazer.

O ano escolar voou, o que tem seu lado positivo, se for pensar no cansaço trabalhista, mas o problema é que ele passou tão rápido que se parar para perceber os meses de vida normal e pessoal, kd o ano? Tem mês que parece que não aconteceu, pq de imediato, nada nos remete a ele na questão das muitas lembranças. Será que isso é só comigo ou mais gente passou por isso? Pq ao piscar, passei do início do ano, do mês de aniversário ao meio do ano, da semana de descanso (curtíssima por sinal) à alguns feriados interessantes e pimba, já estou lembrando de coisas do final do ano! Onde será que foram parar os 350 dias na minha mente? Ficaram submersos na maré de pensamentos rápidos e tomadas de decisões abruptas ao longo do ano, só pode!

Mas ao colar e copiar meus textos, percebi momentos de fúria, de reflexão da vida pessoal e alheia, de vitórias, de ego suprimido e vivido, de força – seja de vontade, ou mesmo impulsionada pelo frenesi da vida; momentos de inquietude – pessoal, profissional, amoroso e divinal, que na verdade passaram ou não, que foram vencidos, perdidos ou mesmo ainda me futucam no fundo da alma. Momentos rasos, profundos, inconstantes, permanentes. Alguns que me frustram pela minha incapacidade de conclusão ou mesmo força de vontade em fazê-los, seja por preguiça ou pela simples incapacidade pessoal de mexer com o que está quieto.

Perceber que meu espiritual continua meio nebuloso, não pela incapacidade de conexão, mas pela falta de vontade de entrar em universos já conhecidos, ou mesmo, explorar novos; pelo pensamento do viver o aqui e o agora, não só por mim, mas pela cria que coloquei no mundo. Compreender que mesmo assim o espiritual continua forte, com barreiras altas, com força de resposta à altura e principalmente, a confirmação que os que me protegem, protegem tb os meus, sejam familiares, sejam amigos, sejam bichos, seja minha casa ou meu mundinho pessoal.

Ver que embora o espiritual esteja ali, quietinho, sendo usado em momentos oportunos; a amizade espiritual permanece, com os idos, com os atuais, com a família, com os amigos distantes, com os amigos de perto, com os amigos de net, com os amigos de outro universo;  todos  presentes, para os momentos bons e ruins. Saber que grupo ainda é uma palavra forte, que grupos vão e vem, que pessoas se afastam (por nossas atitudes ou por atitudes de terceiros), mas que grupo, é aquela palavra forte que se cria, quando pessoas fortes gostam de se unir em prol de um bem comum.

Ao reler tudo, aceitar os perrenges da vida, ver o que de útil tirei disso; perceber que tem coisas que de útil nada tem e aceitar que foram coisas fúteis que me tiraram o humor, pq eu deixei, pq eu achei que ia aprender algo com isso ou pq simplesmente me deixei levar.

Tão bom ver as coisas boas, as energias maravilhosas do bem, do amor, da conquista, da brincadeira, rir de fatos que me mudaram ou mesmo abrilhantaram o dia; perceber as pessoas que me amam, que eu amo e conviver com esse amor tão forte e que pelo corre-corre, por vezes esquecemos que está ali, para o que der e vier.

Aceitar meu lado crítico, comigo, com os outros, perceber que ele me trouxe vitórias pessoais, com meu corpo, minha alma, meu espírito; pq tudo tem um lado positivo, basta saber aproveitar esse olhar.

Vivenciar que existem pessoas que nos apunhalam pelas costas, pq esquecem suas promessas, que na verdade se mostram mais egoístas do que falam, cospem no prato que comeram e querem o braço quando damos a mão. Nesse momento é deixar a pessoa na mão dos deuses, pq se ficar na minha mão, eu destruo.

A felicidade de sair do 44 para o 38, maior vitória não há!

A grandiosidade de conviver com as pessoas que considero da minha família, sejam de sangue ou não,  de perto, de longe, de coração. Ver suas vitórias e nossas conquistas, pq o que é de um, é de todos!

Ter minha mãe, meu marido, meu filho, isso já me enche de felicidade!

A infelicidade dos momentos ruins da saúde, minha, dos meus, dos bichos;  a felicidade de passar por tudo isso e tirar de letra, certa da vitória final.

Ficar irada ao ler coisas que aconteceram com o filhote, a incapacidade de bufetear quem lhe fez mal, a intelectualidade de usar mais a razão que a emoção, sentar, dialogar, mostrar minha insatisfação e deixar claro que tal coisa não pode nunca mais acontecer; pq eu sou uma pessoa legal, pq eu não sou ignorante, pq eu sei meus direitos e principalmente, pq mexeu com meu fillho, despertou meu lado leoa Sekhmet e ele não é um lado agradável de se ver. No final de tudo, sorrir triunfante pela pessoa em questão se ferrar, se lascar, perder o emprego e o melhor, passar por todos esses problemas, pq eu fiz valer meus direitos e vontade, não pq sou ruim, mas pq sou muito justa e a vida é justa comigo. Quanto a pessoa, ver que ela colheu o que plantou, pq a vida ensina, por bem ou por mal.

Projetos não realizados, pq não era o momento, pq não consegui, pq não deixaram, é a vida...

A frustração de não ter feito a festa de 2 anos do meu filho, isso não tem preço. =/

Perceber que nem tudo que eu quero eu consigo, no momento que acho justo, passar raiva por isso e ter que conviver com tal sentimento pelo tempo que for necessário.

Sentar e deixar o tempo passar, pq ele é senhor de tudo, pq ele manda e nada posso fazer contra isso.

Enfim, 2012 foi um ano de mudanças mesmo, algumas bruscas ou não, mas com certeza um ano de descobertas, pessoais, coletivas, para o bem e para o mal.

Saber que passei por tudo isso e estou aqui em pé, é vitória pessoal contra as adversidades, é aprendizado conquistado na marra, na força, na coragem ou na dor. É viver pelo ato de viver, amar pela capacidade de ter a quem amar. É concretizar para o futuro, não só meu, mas da minha família, dos meus amigos e principalmente meu espiritual.

Que venha 2013, ano da Serpente, meu ano, vamos ver o que ele me traz. =)

16 de dez de 2012

Agenda/diário




Na minha madrugada de insônia, resolvi dar conta dos textos do meu ano de 2012 e final de 2011 para colar na agenda. Pois é, eu ainda faço agenda, mas não no método tradicional, hoje em dia eu uso o blog como diário virtual, porém, a ideia de ter somente o texto na web não me agrada, pois tenho a mania de reler meus escritos e verificar minha evolução, ou não, rs.

E para isso, que não tem data e nem horário para acontecer, é complicado para minha mente depender somente do computador para esse fim, então eu no final de cada ano, imprimo tudo que pensei e escrevi ao longo do ano; dou uma formatada e deixo tudo certinho para cortar e colar na agenda. Assim não tenho dificuldades em sanar as curiosidades que me dão no ano seguinte de ler meus pensamentos dos anos anteriores.

Nisso está a graça de colocar sentimentos no papel, a graça de poder reler, de não esquecer, de ver o que lhe afligia, atingia, machucava e ver se foi possível superar, ou não , tais sentimentos.
Tem coisas que quando releio ainda me trazem a mesma emoção, outras não... umas de superação, outras de insatisfação e algumas de impotência perante situações que a vida impõe; mas enfim, isso é viver.

Espero que essa minha prática continue por muitos anos, pq admito, é tão bom ler coisas de 10 anos atrás e ver o quanto amadureci, é fato!

26 de nov de 2012

Xenna Resgatada!




ATENÇÃO, XENNA FOI ENCONTRADA!!!

Muito boa à campanha coletiva para achar a Xenna, teve gente na web compartilhando, procurando a pé, de bicicleta, de carro pelo bairro e principalmente, no boca a boca; era tanta gente comentando no bairro sobre a Xenna que até os carroceiros da região ajudaram.

Um deles ajudou tanto que a encontrou no bairro vizinho, levou a cadela para casa, voltou no meu bairro e avisou na farmácia.

Fui com o rapaz da farmácia em Taquara, na casa do carroceiro, encarando estrada de barro e lama, torcendo para o carro não atolar.

Chegando lá, vejo Xenna suja, cansada, dolorida de tanto andar, tão debilitada que não conseguiu nem entrar no carro sozinha, tivemos que colocá-la na mala no peso e na raça.

Pois é, quando a gente anda certo com a vida, a vida anda certo com a gente!!!

Por fim só me resta agradecer; por todos que ajudaram no plano físico, pelos pedidos celestiais atendidos, pelas velas acesas no altar e pela capacidade de encontrar ainda gente de bom coração nesse planeta.

Agora é cuidar da minha véia, pq como ela andou para muito longe, está cansada e debilitada.

Agora estou feliz, MUITO FELIZ! =)



Xenna Desaparecida



GALERA PRECISO DE AJUDA URGENTE!!!

TENTARAM ENTRAR NA MINHA CASA E MINHA CADELA XENNA PELO VISTO FOI ATRÁS DE QUEM TENTOU, ACORDEI E DEI COM O PORTÃO ABERTO E A CADELA NÃO ESTAVA NO QUINTAL.

XENNA É UMA FILA COM LABRADOR, IDOSA, PORTE GIG
ANTE, COR AREIA, MUITO MANSA, QUEM A VER NAS IMEDIAÇÕES DO BAIRRO FAVOR ACOLHER E ME AVISAR POR AQUI OU AO CZZ.

ESTOU DESESPERADA!!!

BAIRRO COLINA DE LARANJEIRAS - SERRA - ES / TEL DE CONTATO: 27 99787228

23 de nov de 2012

Cabelo Novo

Cabelo novo, vida nova e mais leve!

Essa é a minha decisão....

Percebi que estava num período de muita estagnação, levando a vida com a maré, sem prestar atenção nos detalhes importantes e eu não sou uma pessoa assim.

Estava precisando de uma mudança forte; mudar comigo é algo além da atitude, precisa ser algo visual, para que eu toda vez que observe, me lembre da mudança necessária.

No que poderia mudar de modo radical e rápido? No cabelo!

Ao contrário de muitas mulheres que morrem de medo de mexer no cabelo, eu adoro esse tipo de desafio e faço as coisas sem medo dos resultados, mas nem por isso deixo de pesquisar o corte que tenha meu estilo.

Desta vez, cortei curtinho, cabelo que já usei por muitos anos, mas com um toque mais moderno, mais repicado e não pintei, aderi a cor natural do meu cabelo, cor essa até hj indefinida, rs.

Achei graça como as mulheres que estavam no salão ao me ver escolhendo cortes curtos, ficavam desesperadas, todas elas com medo, por mim. Nenhuma falou que ia ficar bem, todas questionavam, se questionando, sobre como sobreviver sem um cabelão, sem fazer luzes ou passar tinta. Eu as escutava e sorria, dizendo que não era escrava do meu cabelo, ele que era escravo das minhas decisões.

Quando sentei na cadeira para tosar tudo, todas as mulheres olhavam para mim, a cada mecha longa que caía, eu escutava suspiros e palavras sobre minha loucura. Eu e minha cabeleireira só sorriamos. Eu feliz, ela mais ainda pelo desafio do corte.

No fim, eu estava linda, estilosa, moderna, DIVA!

As mulheres? Babando, agora dando elogios pela coragem e pelo corte. Falaram que fiquei mais magra, mais nova, mais fina, rs. Todas pagaram a língua e invejavam minha pessoa, pelo simples fato de não terem coragem para mudar, para sair de um estilo padrão e de massa, por seres escravas de seus cabelos e da opinião dos outros.

Eu? Estava mais feliz do que nunca, olhava para mim e via a mudança que antes pedia, agora se concretizando de fato.

Ao andar na rua, olhares femininos e masculinos, desses últimos, 2 cantadas e várias viradas totais de pescoço, rs.

Fui para casa muito, muito feliz, até pq meu maridão, me adora de cabelo curtinho.

Então que a mudança necessária que se iniciou, perdure!

27 de out de 2012

Preciso me atualizar



Muita coisa rolou, pouco tempo tive, com calma atualizo isso aqui, ficam aqui as pérolas do dia, rs.

"Preciso aprender a me calar e a respirar fundo, ao invés de explodir e fazer uma crise . O problema é que quando eu me calo, na maioria das vezes, meu sentimento esfria; é uma autopreservação, pq senão a raiva me queima por dentro. #fato"

"abe uma das inúmeras coisas que me agradam na minha casa? A quantidade de pássaros que vem nela se deliciar; seja procurando pouso, seja dormindo ou mesmo criando novos filhotes. Acho que é por isso que não vendo isso aqui, rs."

"Falta pouco para outubro acabar, está chegando o momento para certas decisões tomar. Eu coloquei na mão de Deus, esperando pelo melhor até o final deste mês, portanto, em novembro, a decisão será só minha e de mais ninguém."

"Sabe o que me emputece? É ver nome de amiga minha em boca de gente que se diz amiga, mas que pelas costas, só destila o veneno. Essas pessoas tem que lembrar, que quando elas falam mal dos outros, abre precedente para entendermos, que ela na verdade, fala mal é de todo mundo. E amiga minha, que eu considero irmã, eu defendo mesmo com unhas e dentes!!!"

"Por mais estranha que eu seja, por mais anormal que eu pense, por mais louca que seja minha ideologia; é muito bom perceber que quem faz parte da minha vida social, me compreende, me respeita e me zoa num grau! Parabéns a todos vcs, que tem a capacidade de me aturar e o prazer de me servir, hahahaha!"

"Definitivamente, to com a Kytanna de frente! Eita humor negro e inteligente!!!! Me divirto!!! kkkkkkkkkkkkkk Para melhorar, kd minha Marguerita??? aff...."

"E na próxima lista do supermercado, colocar: comprar Marguerita! \o/"

19 de jul de 2012

Cigana Madalena




A cigana Madalena era uma mulher muito alegre, terna e de muita força e fé na vida.

Jamais deixava a tristeza abater quem quer que fosse, tinha sempre uma palavra de animo e consolo para seu grupo.

Foi sempre um alento para as horas difíceis.

Quando seu grupo teve que sair de um país, ela foi a grande amiga, conselheira e todos vinham se aconselhar com ela.

Gostava de dançar, sentia imensamente cada emoção humana.

Era bela, forte, sensível, terna.

Quando precisava também sabia chamar a atenção, mas sempre de forma positiva.

Ninguém conseguia esquecer sua dança.

Ela era assim lembrada pelo seu povo: Como mãe, amiga e mulher.


É protetora das pessoas que tem problema em relação ao sexo e precisam mudar quanto a isto. Pessoas que são tímidas, que não conseguem se soltar, que tem medo do sexo, etc... 


Ela é de origem Árabe, e viajou por todo o Oriente Médio e Índia, foi muito reprimida e tem grande amor e paciência para orientar os que dela precisam. 


Suas magias são de fundamentos Árabes e Indianos, são poderosas magias que faz quando esta na aura de seus protegidos. Quase todos destas linhas. 


Cigana linda; gosta de dançar e se soltar, encantando a todos, sempre disposta a ajudar com seus mágicos poderes de Buena-Dicha, resolvendo todos os problemas que Deus permiti que ela interfira e faz o melhor para a pessoa (nem sempre o que a pessoa quer). 


Madalena enxerga longe. 


É grande fazedora de vinhos e porções de amor, gosta muito de fazer magia com pão árabe com pasta de carne apimentada e pétalas de rosas. 


Faz sua reza onde deixa a sua força e faz os amantes comem juntos, abrindo as energias de ambos para fazerem com muito amor um sexo gostoso e ardente. 


Nas festas ciganas o pão encantado de Madalena é disputado por todos, devidos aos seus poderes. 


Obs: Esta cigana não tem preconceitos, e recorrem a ela pessoas com problemas que nem imaginamos.




Vem cigana Madalena
com safiras no olhar
tua saia azul esvoaça
vem me ensinar a dançar.

Quando danças teu véu esconde
um misterioso enigma,
de quem muito já viveu
aprendendo com a vida.

Sois um misto de tudo,
mãe, amiga e mulher,
tens a ironia divertida
de quem sabe o que quer.

Sois dona de um perfume,
raro, suave e sedutor,
perfume que a tudo encanta,
o teu nome é AMOR.


23 de jun de 2012

Eu Avalio - Renault



Postagem sobre a loja Renault Atlântica - Serra - ES, onde fiz a 1ª revisão do meu carro, com certeza, me fez repensar o futuro.


22 de jun de 2012

Desejos




Sabe aquelas futilidades de marca famosa? 

Do caro ao barato? 

Coisas que não precisamos e necessitamos ter? 

Pois bem, estou numa semana sonhadora, perdendo meu tempo olhando para elas. 

Creio que estou numa vibe muito pisciana, preciso do meu lado leão mais aflorado; 

quando o signo vence o ascendente, só dá merlin!

MEDA

7 de jun de 2012

Conexão com os idos



Ter conexão com o divido é ter a capacidade e a permissão de encontrar quem amamos; ontem fez 13 anos que meu pai foi badalar no outro lado.


Vê-lo mais novo, mais magro, feliz e bem iluminado, foi maravilhoso. 


Conversar e matar as saudades, sentimento muito bom.


Dar a notícia para minha mãe que ele está super bem; não tem preço! ♥

5 de jun de 2012

Gente que...


Gente que...

era pobre e ficou rico.
era rico e ficou pobre.
era classe média e assim continua.

era crente e virou pagão.
era pagão e virou crente.
sempre foi de determinada divindade e por modismo ou Maria-vai-com-a-outra muda para uma nova.

torcia para um time e agora torce para outro.
sempre seguiu um modalidade e do nada, partiu para outra.
queria ser atleta e só fica no computador.

sempre amou bichos e agora passou a odiá-los.
joga maldição e diz que é boa gente.
diz que é vegetariano e come hamburguer em trailer.

nunca quis filhos e agora tem mais de um.
sempre quis filhos e nega veemente a afirmação, por não tê-los.
diz que não curte criança e trabalha em escola.

posa de pessoa culta, e não lê um livro.
fala que é poliglota e não sabe sem se expressar corretamente em português.
diz que é dinâmica e não faz nada da vida .

era ruim na cozinha e ficou boa em outros lugares.
fala dos outros e nunca diz nada.
compra roupa e não cabe nela.

sorri pela frente e mostra a língua pelas costas.
fala mal pela frente e tb pelas costas.
que fala na cara e doa a quem doer.

é centralizadora e diz que não é.
é multitarefas e se enrola.
delega tarefas e não faz nenhuma.

diz ser social e não sai de casa.
diz ser educada e é barraqueira.
diz que é tímida e fala como tagarela no skype.

Essas foram alguma das coisas que vi, ouvi ou vivenciei por esses tempos...

Sei que tem muito mais "Gente que..." por esse mundo, quem tiver mais "experiências com elas" pode postar aqui para dividirmos nossas "vivências", rs.

Das mudanças



Eu sinto,
eu vejo,
eu leio,


eu escuto,
eu guardo,
eu faço,


EU MUDO!

2 de jun de 2012

Campo espiritual



Há muitos anos, participava do GESJ (Grupo Espírita Servos de Jesus), um Centro Kardecista localizado em Vitória, lá aprendi algumas coisas interessantes, além de participar ativamente no campo espiritual; por motivos diversos, saí de lá no campo físico, já no campo espiritual, ainda sou convocada e por vezes decido ajudar ou participar.

Na semana passada sonhei com o povo de lá, debatíamos sobre temas centrais e dentre eles estava o assunto sobre os 3 dias de escuridão e o campo vibracional do planeta. Lembro de ver duas amigas minhas (uma pagã e a outra cristã) e uma professora do CMEI por lá.

Num certo momento falei que já fazia mais de 10 anos que havia saído do GESJ, portanto, ainda não havia acontecido uma série de fatos e questionava sobre o que ainda me dava garantia de que iriam acontecer. Um das minhas amigas discutia sobre o plano de evolução planetária e o tempo "ganho" com isso, pois com a mudança vibracional, certas coisas foram adiadas, mas nem por isso deixarão de acontecer.  A professora do CMEI concordava com ela, e muitos outros tb.

Enquanto essa minha amiga pagã falava sobre isso, a minha amiga cristã repetia que não acreditava em nada disso, que isso era "viagem" de povo "esquisótérico".

Foi aí que um "senhor" pediu a palavra e começou a explicar que infelizmente, as previsões estavam corretas, ganhamos um tempo a mais, mas a etapa evolucionária aconteceria, e o prazo para ela se iniciar é daqui há 10 anos, portanto, nos preparar e preparar os outros ainda será necessário.

Lembro que o questionei, ele assumiu sua verdadeira forma e conversamos olho no olho.

Nessa semana sonhei novamente com o assunto, agora em esferas diferentes da nossa, com planos mais aquáticos por assim dizer.

O fato de trabalhar do outro lado por vezes, além de estranho, é doloroso, pois vemos situações que não devemos interferir. Não devemos, mas eu acabo me metendo, rs. Me dói ver coisas com crianças/filhotes/infantos por assim dizer, dá vontade de abraçar o Universo e acabar com a dor deles, faço o que posso...

E nisso vi coisas acontecendo em outros mundos, sejam elevados, igualitários ou decadentes, evoluir é sempre necessário, lidar com a dor evolucionária tb.

3 dias de escuridão é uma metáfora, verdadeira, e que ocorre nos mais diversos planos.

Pensar nela aqui, hj em dia tem outra conotação para mim, pelo simples fato de ser mãe.

No que isso vai dar eu não sei, mas sei que posso preparar a mim e aos meus, avisarei; se entenderão, vai depender do grau espiritual de cada um.

15 de mai de 2012

Perdeu-se

Não sei bem como aconteceu, na verdade nem me lembro de ter acontecido.

Um certo dia o maridão vem e me pergunta: passou creme nas mãos e não me deu a aliança, pq?

Explico: toda vez que passo creme nas mãos, é de praxe entregar minha aliança para o marido colocar no dedo mindinho, assim não largo a dita em qualquer lugar. Na verdade, isso sempre gera uma brincadeira, a de que ele vai aproveitar que está rico e fugir de casa chupando bala.

Naquele momento, olhei para minha mão e percebi a ausência dela, pensei: onde será que deixei? Aí começou todo mo meu drama.

Como eu disse anteriormente, não sei como ela não estava no meu dedo, não havia passado creme algum; não retirei para limpar e nem ao menos me lembrava de tê-la tirado do dedo.

Rodei a casa toda, olhei no escritório, na sala, na cozinha, no quarto, no chão, atrás dos móveis, nada.

Num certo momento, acho que lembro de estar no computador e após digitar muitas coisas, a dita me incomodar, acho, não tenho a mínima ideia ou certeza, que a retirei para mexer no dedo e depois... depois não sei de mais nada. Na verdade não sei se a retirei, se ela realmente me incomodou, é um relance na mente, que nem sei se foi verdadeiro ou apenas a imaginação fértil tentando me dar uma explicação para o sumiço do objeto.

Como não achei nos dois dias seguidos, esperei tranquilamente até o dia da faxineira para pedir que ela desse um pente fino na casa, acreditando, lógico, que a aliança caiu no chão e eu não percebi. A faxineira veio, limpou, arrastou móveis, mas nada encontrou.

Fui em todos os meus guardados, de bijuterias às jóias, nada.

Procurei no serviço, nada.

Cacei dentro do carro, nada.

Até coloquei o maridão na parede e questionei se era alguma brincadeira sem graça, em vão.

E nisso já se passaram 3 semanas.

3 semanas sem a aliança, 3 semanas revoltada com isso.

Não pela perda do objeto de união e casamento, mas pelo ouro perdido (3 gramas, pô!), pela minha distração, desorganização e burrice!

Sim, pq perder um objeto desses, além de ser uma desorganização, é ser muito cabeça oca.

O que eu estava fazendo no momento? No que estava centrada ao ponto de não perceber o ato de retirá-la? Onde eu coloco algo para não perder e mesmo assim esqueço?

É ou não é uma coisa de cabeça avoada nas nuvens? Ou chiquemente dizer: estava absorta...

Já me passaram simpatias/rezas/magias, já pulei pro São Longuinho. Já prometi doces pra crianças, São Cosme e Damião, até tomar um porre de champagne ou marguerita para comemorar e beber junto com o Santo.

Nada.

Aí foi a louca que perde coisas, dar uma olhadela nas vitrines das joalherias, a fim de ver o preço módico de alianças; claro que caí para trás e claro, aumentou a minha raiva por mim mesma, aff.

E aqui estou eu, a casada sem aliança, com um marido casado que diz que agora mora com uma solteira e me zoa quase todo dia sobre a aliança perdida.

Se alguém tiver alguma dica, estou aceitando; quem quiser me ajudar pode colocar a visualização e os Santos para trabalhar, pq achar essa aliança, é agora questão de honra.

3 de mai de 2012

Vermelho é o meu escudo


Ultimamente, uma certa notícia me tirou do sério, me emputeceu, me entristeceu, me encheu de ódio e necessita agora de uma atenção toda especial.

É fato que eu detesto ingratidão e que façam as coisas pelas minhas costas.

Mas é preciso arregaçar as mangas, me proteger, me assegurar que tudo está ao meu favor. E eu vou magicar por isso, pq ajuda divina é sempre necessária

O bom disso tudo, pq tudo tem um lado bom, é que isso aguça o instinto guerreiro; instinto que há muito tempo estava adormecido.

E vamos que vamos, pq a vida é feita de desafios, conquistas e claro, vitórias absolutas!

A chapeuzinho vermelho aqui, sabe usar a pele do lobo quando quer.




"A ingratidão consiste em esquecer, desconhecer ou reconhecer mal os benefícios, e se origina da insensibilidade, do orgulho ou do interesse." (Charles Pinot Duclos)

29 de abr de 2012

Objetivo conquistado



Todo mundo que me conhece sabe que eu engravidei, todo mundo que me lê sabe que eu engordei e isso mudou a minha vida para pior.

Eu sabia que iria engordar por conta da gestação, mas eu tinha a certeza que perderia tudo depois com a famosa amamentação.

E a amamentação não aconteceu, portanto, não emagreci.

Fiquei meses na agonia de querer usar roupas que estavam no armário e não cabiam, sofrendo com uma cinta maldita que não me dava o resultado desejado, na verdade eu parecia um colchão amarrado.

Até que um dia, uma amiga me falou sobre massagem de drenagem linfática. Era uma boa promessa, mas logo descartada pelos preços absurdos cobrados nas clínicas das madames.

Reclamando aqui e ali pelas ondas internéticas, uma conhecida me diz que conhece uma mulher que faz a tal massagem (drenagem acrescentada de do-in, modeladora e relaxante), que ela vai na casa das clientes e não cobra horrores por isso; e o melhor, com resultados comprovados pelo olho clínico dessa conhecida.

Tomei coragem e atitude, juntei uma grana que não tinha e paguei a mulher.

Os resultados nem demoraram tanto tempo assim, creio que em 1 ano, passei dos 75 kg para os 60 kg, três a menos do meu peso normal anterior.

Não mudei muito os meus hábitos alimentarem, continuei sem fazer exercícios; eu sou mesmo sedentária e preguiçosa, mas fiz a massagem por mais uns 4 meses, até que finalmente a recessão orçamentária familiar me venceu e tive que cancelar as tão maravilhosas massagens. Sinto saudades absurdas dela!

Meu corpo mudou muito, mas ainda não estava como eu queria, pq eu não poderia desejar ter meu corpo antigo de volta? Não o corpo pré gravidez, mas o corpo da época da UFES? Era desejar demais? Não!

Deixei de comer guloseimas durante a semana, as latas de leite condensado começaram a sobrar na despensa, os chocolates ficaram escondidos na geladeira, tudo pq o meu mal é gostar de doces!

Mas não fui radical, sabia que se assim fizesse, iria me boicotar. Quando desse a louca por um doce, chocolate ou porcaria, eu comeria sem sofrimento. Nem pensaria depois nisso!

Prometi fazer exercícios, mas não fiz.

Percebi que as roupas começaram não cair bem, as calças a cair e as blusas de sempre estavam realmente folgadas. Voltei a usar cinto, décadas depois de tê-los abandonado no armário, tive inclusive que comprar novos, os antigos estavam grandes demais. Mandei calças jeans para a costureira, não para fazer bainha, como de costume, mas para apertar.

Com receio, não subia nas balanças das farmácias, só na de casa, pois já sabia que nunca marcava o peso exato; na verdade era medo de achar que estava bem e ainda não estava, é coisa de quem já foi gordinha, ama e odeia uma balança, rs.

No mês passado, não resisti e subi numa balança, na verdade uma de precisão, encontrada no veterinário  da minha cadela que operou, me imaginava com menos de 60 kg, mas me surpreendi por me ver com 56 kg e poucas gramas. Na hora, fiz igual criança, subi e desci várias vezes, feliz pelo resultado obtido.

Mas eu queria meu peso de Universidade, peso dos meus 20 e poucos anos, essa era a minha meta, meu objetivo escondido, algo velado para meu ego não perceber, rs.

Tempo depois, com o lance da gripe do Tutu, fui numa farmácia, passei por uma balança, me pesei e... estava com 55 kg!!! Esse era meu peso da época da Universidade, eu finalmente estava com o meu corpixo que sempre amei!

Não preciso dizer como isso me deu uma satisfação enorme, não é?

Claro que sair do 75 kg e cair no 55 kg, além de uma melhora no corpo e na saúde, resulta em certas coisas que nunca havia percebido, a temível flacidez. Não sei se pela idade, pela gravidez ou mesmo pela minha falta de exercícios, percebi que minha pele não era como antes, era necessário fazer algo.

Adepta de pílulas como sou (fresca admito), comecei a tomar umas de colágeno, não sei se ainda vão dar algum resultado satisfatório, conto depois.

E nessa semana, por conta do Tersol do Tutu, passei novamente na farmácia, passei pela balança e não resisti, me pesei; qual não foi minha surpresa ao ver que estava com 54 kg cravados!

Parece uma diferença besta, mas pesar menos do que eu coloquei como meta, me assustou; me deu medo de perder o controle, do corpo emagrecer demais, sei lá, ficar anoréxica, deu neura.

Continuo com a alimentação normal, deixando as besteiras para o final de semana, mas será que continuarei emagrecendo? Que o corpo acostumou com isso? Só o tempo dirá. Admito que lá dentro tem algo que me questiona: Será que 50 kg é perfeito? Não dizem que temos que pesar menos 10 do que os centímetros da nossa altura? Mas não quero "pagar pra ver", não quero!

Uma coisa é fato, preciso fazer algo em relação a flacidez, ela está me incomodando, justamente pq reparei nela. Vou ligar para a antiga academia, onde eu fazia hidroginástica, afinal isso eu sempre gostei e só parei por conta da gravidez.

Espero que não esteja caro, pq eu já decidi que vou fazer, só preciso ver o que deixo de consumir para ter grana para os exercícios; e não adianta eu falar que vou andar de bicicleta, que vou andar ao redor da pracinha, que não rola, eu me conheço. Se eu não colocar dinheiro na academia, se eu não ver que preciso fazer as aulas para não jogar dinheiro fora, eu não faço. A preguiça é meu maior defeito, eu sei, rs.

Agora tenho um novo objetivo, eu quero vencer a flacidez!

Fazer exercícios não é mais uma coisa abestada, tem que ser uma obrigação, não só pela flacidez que eu detectei, mas pela saúde, pois se eu cheguei até aqui, é pq eu posso conquistar tudo que eu quero e muito mais.

Sou uma vitoriosa!!!


Tenho certeza disso!!!!!

Obs: Sabe aquela calça guardada, do tempo de antes da UFES? Aquela mesma que eu sempre prometi que um dia voltaria a usar? Guardada por mais de 15 anos? Pois bem, além de entrar, fecha que é uma beleza, tá?! rs

22 de abr de 2012

Da capacidade de ver, saber e conhecer



Todo mundo tem um dom, isso é fato.

Mas quando o dom é de perceber as nuances do Universo e com isso ter visões de coisas futuras que possam vir a acontecer?

Mutos diriam que é algo maravilhoso, um dom profético; mas eu posso lhes dizer, nem sempre isso é bom.

Na verdade é algo que dá grande responsabilidade, pois ao ver coisa que podem acontecer, podemos até tentar mudar o futuro, mas nem sempre ao nosso bel prazer.

Eu digo que o futuro é uma estrada de muitas vias, o que nos deixam ver, são as curvas desses caminhos e com isso temos noções das coisas que podem ocorrer; mas o caminho a seguir e os obstáculos que existem neles, isso só o tempo presente pode mostrar.

A única coisa que posso fazer é responder quando sou questionada, mas se a resposta vai agradar, isso são outros quinhentos.

Todo mundo tem a errônea noção de que um futuro visto é um futuro certo, nada disso, ele é mutável, e muda de acordo com o nosso dia-a-dia e as escolhas que fazemos no aqui, no agora e no acolá espiritual.

A única coisa certa do futuro, é que se vc tiver que passar por determinadas situações para crescer, amadurecer e evoluir espiritualmente, elas vão ocorrer, mais cedo ou mais tarde, independente de sua vontade, e não adianta fugir delas, pq nem sempre essas situações dependem de um corpo físico.

Eu trato disso aqui, não para ensinar ninguém; escrevo para me lembrar dessas palavras e desse ensinamento, para não viver na falsa esperança de achar que eu sei do futuro.

Lógico que tenho sonhos, de que certos futuros bons aconteçam logo, que alguns futuros mais dramáticos sejam logo vivenciados para eles irem embora, mas rogo, do fundo de minha alma, que gostaria daquele futuro feliz, em paz, com tranquilidade, com união e sim, com uma baita esperança que todos sejam sempre felizes.





7 de abr de 2012

Pessoas e suas vibrações



Nas andanças do outro lado, encontramos pessoas dos mais variados tipos: dos amigos, dos conhecidos, dos inimigos e aquelas que não fedem e nem cheiram.

Hoje na minha andança, ganhei presentes, vi uma amiga querida e combinamos lá de nos encontrar aqui e passear, mostrando que amizades se perpetuam em todos os mundos. Estava com meu filho no colo, apresentando para as pessoas, mostrando minha felicidade em ser mãe.

Vi gente que não gosto, mas assim como aqui, sorri, pq nossos atos refletem onde estamos; portanto, aprendi a agir de acordo com a energia que quero atrair. Nem quando brincou com meu filho reclamei, simplesmente sorri, pq tem coisas que realmente vale a pena deixar ir. Por outro lado, vi gente que me olhou de cara feia, mostrando que o sentimento dela refletiu lá; só pude sentir pena e vi partir.

O bom da boa vibração é que ela nos persegue, afinando tudo a nosso volta, se fazendo por merecer.

A quantidade de boas energias sentidas hoje foi a prova que eu necessitava, mostrando que meu pensamento está certo, meu caminho aberto e eu só vou ter perto, quem me merece e quem eu deixo por merecer.

Acordei feliz, tranquila e com o espírito leve.

Feriado bão!

28 de mar de 2012

O doce e o dente


Na semana retrasada, comi um doce que me lembra a infância querida do RJ, comi amendoim doce.

Que delícia, que nostalgia boa que me deu;  até o momento em que mordi um amendoim e senti além de um barulho estranho na boca, uma pequena dor.

Como estava fora de casa, achei aquilo estranho, mas continuei a consumir o doce tranquilamente até o final, até pq a dor foi só momentânea, típico de quem mordeu algo errado e passou.

Nessa semana, eu que nunca havia sentido dor de dente, começo a me sentir incomodada, resolvi dar uma olhadela com um espelhinho e vejo dois dentes com buracões, um deles com algo pretinho lá no fundo.

Pronto, eu que até os meus 35 anos nunca havia tido uma cárie, estava com um enorme buraco no dente, estranhamente não no dente que iniciava uma dor, mas estava lá, um ponto preto no buraco; além de outro dente, esse sem ponto preto, mas tb com um buracão. Ambos no mesmo lado da mordida infeliz no amendoim doce, a mordida que fez um barulho estranho e uma leve dor.

Liguei imediatamente para minha dentista e marquei uma consulta para hoje às 17 horas. Tá na cara que vem uma quebra no orçamento.

E fiquei pensando... Eu, logo euzinha, pessoa que escova sempre o dente, cuida muito bem da saúde bucal, como posso ter dois dentes quebrados por conta de um amendoim doce?

Aí me lembrei que li durante a gravidez que a maior incidência de cáries e quebras dentais, ocorrem justamente no período da gravidez e se estende a até 1 ano e meio após o parto; tudo por conta do cálcio enviado para o bebê e que custa longo período para ser reposto totalmente no organismo feminino.

Será isso mesmo? Que quebrei pedaços de meus dentes por conta da gravidez?

Se é eu não sei, só sei que preciso consertar meus dentes, antes que a dor piore e a cárie se instale mais profundamente.

Mas que a boca agora tá doendo, isso tá! :/

19 de mar de 2012

Vi, sorri e te esqueci


Colocar ordem nas coisas, repensar conflitos, ideias, encarar medos, inseguranças e apatia. Isso é evoluir!

No fundo, mesmo quando leio algo que não quero ler, quando encaro algo que meus olhos teimam em mostrar, percebo que crises todos temos, eu tenho, vc tb tem;  mesmo que de início eu aprecie lhe mostrar o dedo e rir escrachadamente na sua cara. Sim, me delicio com algumas dores alheias, é o mal. E isso dá prazer!

Não que isso mude meu pensamento, muito pelo contrário, mas no amadurecimento que a idade proporciona e com estudo espiritual que liberta, observo que certas coisas que acontecem comigo, podem acontecer em outras moradas.

Então recolho meu dedo, não zombo; sorrio gentilmente como quem diz: Sei o que estás passando, são as energias universais falando com aqueles que possuem as antenas voltadas para a direção certa. Eu aprendo com a minha informação e vc com a sua, cada um no seu caminho, simples e só.

Tudo tem um lado positivo na vida, basta saber enxergar, obrigado por meus olhos cruzarem novamente com os seus por uns segundos, mas, como antes, até nunca mais.

E continuo na minha jornada feliz, tendo a certeza que as minhas boas companhias, espirituais ou não, estão ladeando o meu corpo, para que eu não saia muito do caminho, para não cair na tentação de me perder.

8 de mar de 2012

Acidente e Mentiras



Acidentes acontecem, disso todo mundo sabe, agora não assumir o ocorrido e ainda mentir, isso é demais!

Nesse mês, recebi a notícia que Arthur havia se machucado na escola, na verdade, só soube do acidente em casa, lendo a agenda do menino, onde a professora informava que Arthur brincando sozinho, bateu a boquinha no chão.

Ao olhar a boca de meu filho qual não foi a surpresa ao vê-la muito ferida, ele estava com o lábio superior cortado, com sangue entre o dente e a gengiva direita e um quebradinho na ponta do dente esquerdo. Fiquei possessa, uma vez que era claro que o ferimento havia sido grave e que obviamente, sangrou muito.  Quando o pai chegou e viu aquilo, quis na hora voltar para a escola e reclamar, mas devido ao horário, a mesma já se encontrava fechada, portanto, qualquer atitude deveria ser tomada no dia seguinte. Mediquei meu filho contra a dor, dei uma mamadeira e ele dormiu.

No outro dia, já que Arthur estava bem, o levei para a escola e perguntei se a diretora já estava lá, como a resposta foi negativa, fiquei de ligar mais tarde. Ainda pela manhã consegui conversar com a diretora e a mesma não sabia nada sobre o ocorrido com o Arthur. Como ela estava em outra unidade, iria perguntar ao esposo, tb diretor, sobre o acidente na escola. Então resolvi ir depois do serviço para a escola, para saber sobre o ocorrido.

Resumindo a coisa toda, nem a diretora e muito menos o diretor sabiam de algo, a professora omitiu a informação sobre o acidente aos seus superiores e só informou o que estava escrito na agenda de modo simplório. Fiquei muito chateada com isso, afinal de contas, quando o meu filho tem febre a escola tem o cuidado de me ligar, informar e pedir autorização para medicar, pq raios num acidente grave, com corte e sangue na boca, ninguém me liga para avisar de nada? Se a professora omitiu um acidente grave e o tratou com o simplório, quem me garante que outros acidentes menores não ocorreram e os mesmos não foram divulgados por ela?

O problema não foi a queda de Arthur, crianças caem e se machucam, faz parte do processo motor e de crescimento, o que me incomoda é o fato de um acidente grave ser tratado como simples e o pior, a não divulgação do fato à família no momento em que busquei o aluno na escola.

A direção me assegurou que tomaria as medidas administrativas ainda naquele dia e que qualquer tratamento dentário seria custeado pela escola.

Mais tarde a diretora me informou que colocou a professora da sala do Arthur para auxiliar uma turma de idade maior e com outra professora regente, trocando a antiga professora do ano anterior novamente para a sala do berçário, sala essa que possui 3 alunos.

Nesse meio tempo fiz um relatório sobre o ocorrido a fim de documentar muito bem tudo que a família sentiu, nossos questionamentos e pedindo a visualização vídeo da sala, além de providências sobre o acidente, inclusive anexando um atestado médico do dentista que examinou meu filho.

Ao entregar o documento, fico sabendo dentro da escola que a professora, além de não assumir a culpa, tentou alertar a direção sobre um suposto golpe da família contra a instituição, alegando que Arthur não se machucou tanto assim, pois nem sangrou, de modo que a criança se acidentou em casa e a família entrará na justiça para retirar dinheiro da firma.

Isso me deixou possessa, mas como a informação veio como segredo, não poderia tirar satisfação com a própria professora; ela por sua vez, corre de mim na escola e nem é doida de falar uma coisa dessas na minha cara, pois a processaria na hora.

Fui conversar com a direção sobre a informação que me foi passada e pedi a visualização imediata do vídeo da sala e o relatório que a professora passou para a direção sobre o acidente. Ela simplesmente disse que Arthur caiu sozinho, na área do tatame, pois estava olhando um buraquinho na parede e bateu com a boca no rodapé, mas não foi nada sério uma vez que não sangrou e ela acalmou o choro do menino, ficando ele tranquilo depois.

Ao ver o vídeo, realmente Arthur se machuca sozinho, mas ele estava agachado observando algo no chão, quando caiu para frente, batendo a boca, só que ele não estava na área do tatame e sim na área de refeitório, que é de chão duro.

Ela pega Arthur, limpa sua boca e lhe dá assistência, levando-o inclusive para a área de banho, nesse momento eu e o diretor achávamos que ela daria um banho nele para acalmá-lo; doce ilusão, na verdade ela o leva para a área de banho, retira-lhe a camisa e lava uma parte dela perto da gola no chuveiro, esfregando e limpando o tecido, retirando a mancha de sangue causada pelo ferimento na boca.

O diretor chega a indagar: Se ela diz que ele não sangrou, pq está limpando a camisa dele no chuveiro, lavando-a? Essa é a prova que eu precisava.

Deixo claro novamente ao diretor que a reclamação da família não é sobre o acidente do Arthur, mas o modo como o mesmo foi omitido dos diretores e dos pais, passando a imagem de algo simples, quando na verdade o acidente foi sério.

O que a escola vai fazer com essa anti-profissional ainda não sei, mas vou ficar de olho, pq gente assim pode omitir em qualquer outro ambiente e as outras crianças pode sofrer com isso.

8 de fev de 2012

Energia é energia



Toda conexão com o Universo e os deuses é gloriosa, disso ninguém tem dúvida, mas fanatismo religioso é um mal que chega devagarinho e pode tomar conta da pessoa sem ela ao menos perceber.

Eu sou pagã, acredito em diversas manifestações divinais, em deuses de vários nomes, em tempos que não existem mais. Mas ainda assim, preciso me policiar quanto ao fanatismo religioso.

Falo isso de modo pessoal, pq eu vendo minha sardinha pro lado do Egito, mas não posso olhar só para ele, ser exclusiva dele e disso eu estava me esquecendo.

Carrego uma ancestralidade, uma energia familiar, uma energia coletiva de vivências antigas, externas, internas, pessoais e intransferíveis; quando essas energias querem conversar e não dou ouvidos, elas me cobram de um modo bem safadinho.

Ser do Egito, gostar do Egito, louvar os deuses Egípcios, agradá-los, é ótimo, mas certas coisas estão no passado e lá devem continuar, nada contra o Reconstrucionismo, até pq participo/vivencio/adoro ele, mas não posso ser só dele, pelo simples fato dele não englobar tudo que creio, vivencio e participo, faz parte da minha evolução espiritual.

Já estava meio incomodada com isso, admito; mas custava-me sentar, parar, silenciar, meditar, conversar, sonhar, ouvir e aprender. Mas quando Maomé não vai à montanha, a montanha vai à Maomé; e veio com força.

Entrar numa casa dantes esquecida, é um misto de alegria, raiva, força e amor. Sentar e conversar com um idoso que me dá vontade de enforcar com a mesma intensidade de acarinhar, é complicado. Mas segurando o orgulho, aceitando a calmaria no coração e a intelectualidade superior, conversamos por um longo tempo, batemos boca, rimos juntos, enfim, foi produtivo.

Ele disse que esperava por esse meu clique, mas tudo tem seu tempo e de nada adiantaria ele me apressar, pois eu não enxergaria com a amplitude de agora.

Relembrei que energia é energia, não importa nome, data ou endereço; o que importa é a intenção fundamentada na vontade, verdade, justiça e amor.

E após uma longa conversa, saí decidida do que quero, de como quero e principalmente, de como vou agir. Obedecer regras é preciso, se adaptar a elas tb, pq no macro ou no micro só eu e os deuses sabemos que acordo firmado, é acordo nunca esquecido!

31 de jan de 2012

Verdades da Profissão de Professor

Verdades da Profissão de Professor




Ninguém nega o valor da educação e que um bom professor é imprescindível. Mas, ainda que desejem bons professores para seus filhos, poucos pais desejam que seus filhos sejam professores. Isso nos mostra o reconhecimento que o trabalho de educar é duro, difícil e necessário, mas que permitimos que esses profissionais continuem sendo desvalorizados. Apesar de mal remunerados, com baixo prestígio social e responsabilizados pelo fracasso da educação, grande parte resiste e continua apaixonada pelo seu trabalho. A data é um convite para que todos, pais, alunos, sociedade, repensemos nossos papéis e nossas atitudes, pois com elas demonstramos o compromisso com a educação que queremos. Aos professores, fica o convite para que não descuidem de sua missão de educar, nem desanimem diante dos desafios, nem deixem de educar as pessoas para serem “águias” e não apenas “galinhas”. Pois, se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela, tampouco, a sociedade muda.


Paulo Freire

30 de jan de 2012

Formatura Darci


Mamãe se formou, pois é, agora ela é Bacharel em Direito! \o/

Que gratificante ver sua mãe com um diploma na mão, vencendo as dificuldades do estudo, da modernidade, da idade, da sociedade, pq para muitos, na idade de miha mãe, 70 anos, cursar uma faculdade é um absurdo, uma ideia doida de quem deveria tricotar e cuidar do neto.

Ainda bem que minha mãe é moderna e inteligente, uma mulher que serve de exemplo para mim, uma mulher que tenho orgulho de chamar de mãe!

E ver “minha veia” se formando, foi uma emoção tamanha; deve ser a mesma emoção de uma mãe ao ver o filho com o canudo na mão, enfim, eu me emocionei, eu senti orgulho e principalmente, agradeci aos Deuses por ela estar em minha vida e me possibilitar passar por isso.

PARABÉNS MÃE, VC MERECE, ESSA GLÓRIA É TODA SUA!



A pedidos de muitos amigos de minha mãe que não possuem conta no Facebook, posto aqui as fotos da Colação de Grau em Direito da turma da Estácio de Sá.

 Darci em casa se preparando para o evento

 Diva!





Eu e Darci


No hotel Canto do Sol
Entrando no auditório

Super feliz!

Entregando homenagem a professora Eny



Parte da turma

Juramento


Professor Gustavo, Darci e Professor Fabiano

De canudo na mão

Devidamente vestida com beca e canudo

Feliz

Eu e mamãe

Eu, Wladimir (Diretor de Secretaria do TRF) e Darci

Wladimir (Diretor de Secretaria do TRF) e Darci

Família Reunida: Inah, Sayury, Darci, Lígia, Gabriela, Ana Beatriz e André Luiz.