pulo

8 de fev de 2012

Energia é energia



Toda conexão com o Universo e os deuses é gloriosa, disso ninguém tem dúvida, mas fanatismo religioso é um mal que chega devagarinho e pode tomar conta da pessoa sem ela ao menos perceber.

Eu sou pagã, acredito em diversas manifestações divinais, em deuses de vários nomes, em tempos que não existem mais. Mas ainda assim, preciso me policiar quanto ao fanatismo religioso.

Falo isso de modo pessoal, pq eu vendo minha sardinha pro lado do Egito, mas não posso olhar só para ele, ser exclusiva dele e disso eu estava me esquecendo.

Carrego uma ancestralidade, uma energia familiar, uma energia coletiva de vivências antigas, externas, internas, pessoais e intransferíveis; quando essas energias querem conversar e não dou ouvidos, elas me cobram de um modo bem safadinho.

Ser do Egito, gostar do Egito, louvar os deuses Egípcios, agradá-los, é ótimo, mas certas coisas estão no passado e lá devem continuar, nada contra o Reconstrucionismo, até pq participo/vivencio/adoro ele, mas não posso ser só dele, pelo simples fato dele não englobar tudo que creio, vivencio e participo, faz parte da minha evolução espiritual.

Já estava meio incomodada com isso, admito; mas custava-me sentar, parar, silenciar, meditar, conversar, sonhar, ouvir e aprender. Mas quando Maomé não vai à montanha, a montanha vai à Maomé; e veio com força.

Entrar numa casa dantes esquecida, é um misto de alegria, raiva, força e amor. Sentar e conversar com um idoso que me dá vontade de enforcar com a mesma intensidade de acarinhar, é complicado. Mas segurando o orgulho, aceitando a calmaria no coração e a intelectualidade superior, conversamos por um longo tempo, batemos boca, rimos juntos, enfim, foi produtivo.

Ele disse que esperava por esse meu clique, mas tudo tem seu tempo e de nada adiantaria ele me apressar, pois eu não enxergaria com a amplitude de agora.

Relembrei que energia é energia, não importa nome, data ou endereço; o que importa é a intenção fundamentada na vontade, verdade, justiça e amor.

E após uma longa conversa, saí decidida do que quero, de como quero e principalmente, de como vou agir. Obedecer regras é preciso, se adaptar a elas tb, pq no macro ou no micro só eu e os deuses sabemos que acordo firmado, é acordo nunca esquecido!